domingo, outubro 30, 2005

595. A última ridicularia…

…dos senhores que dizem que nos governam tem a ver com o famoso TGV (train de grande vitesse) ou CAV (combóio de alta velocidade).

Vejamos:

Dizem eles que o TGV vai para a frente, aconteça o que acontecer, custe o que custar.

Mais:

Que as opções estão tomadas e serão a ligação Lisboa-Madrid e Lisboa-Porto.

Deixemos a ligação Lisboa-Madrid em paz. Nuestros hermanos se encarregarão de os trazerem às realidades e de os meterem na ordem...

Vejamos a ligação Lisboa-Porto:

O TGV ou o CAV são combóios para circularem a 300 ou mesmo 350 km/h.

A distância entre Lisboa e Porto é de 317 km. Assim sendo, levando em conta que o comboio teria aquela velocidade e descontando o tempo de aceleração até aos 350km/h a partir de Lisboa e a desaceleração até velocidade compatível com a chegada ao Porto, o combóio gastaria cerca de 1 hora e 15/20 minutos, talvez mesmo mais, 1 hora e meia. Boa média.

Porém… (há sempre um sacaninha de um porém…)

Foi dado a conhecer que o trajecto Lisboa-Porto teria as seguintes paragens de percurso:

Ota – a 70 kms de Lisboa
Leiria
– a 72 Kms da Ota e a 142 de Lisboa
Coimbra
– a 60 Km de Leiria e a 202 de Lisboa
Aveiro
– a 64 Km de Coimbra e a 266 de Lisboa
Porto
– a 51 Km de Aveiro e a 317 de Lisboa



Perante este quadro, permitam-me que faça apenas quatro observações e uma pergunta:

Observações:

1. Saído de Lisboa, o TGV, a 300 Km/h, mal comece a acelerar estará a travar a fundo, para não falhar a Ota, a 70km; depois repete-se a dose no trajecto Ota-Leiria, cujo trajecto é de 72km; também no Leiria-Coimbra, 60km; e no Coimbra-Aveiro, 64km; e, finalmente, no Aveiro-Porto, 51km.


2. Assim, um trajecto que antes se viu que levaria cerca de hora e meia, nestas condições nunca consumiria menos de 2 horas e meia, bem folgadas. Como actualmente o percurso se faz em 3 horas e, com um combóio que atinja 180 km/h, se fará em menos de 2 horas, para que vai servir o TGV?

3. Será que “eles” aspiram a ter um TGV, um combóio de apeadeiros ou uma imensa gargalhada a ouvir-se para lá dos Urais?

4. Com tantas acelerações bruscas e travagens ainda mais, aquilo é que vai ser um gasto em embraiagens e pastilhas de travões? Será que vamos ter dinheiro para tantas peças?

Pergunta:

Estes senhores andam a gozar connosco ou são tão destituídos quanto parecem?

12 comentários:

Ricardo disse...

Viva Ruvasa,

Lá vou eu escrever do que não sei, hehe!

Há um avanço positivo neste anúncio em relação ao projecto do Mexia:

- menos linhas (5 era um claro exagero);

- harmonização da linha, isto é, Mexia proponha parte em alta velocidade e a outra parte na linha actual o que reduzia a velocidade mas permitia poupar. Dizia ele que não se justificava o investimento por km e tornar tudo em alta velocidade! Acho que dava 2 horas e vinte mas uma semana depois disseram os especialistas que iam ser mais 15 minutos porque a mudança de intercambiadores implicava fortes reduções de velocidade.

Posto isto queria acrescentar que, segundo o que ouvi na Comunicação Social, ia haver vários tipos de viagem, ou seja, umas directas e outras com paragens (umas Porto - Lisboa sem paragens e outras com as paragens que enunciaste até porque vai ser transporte misto, isto é, passageiros e mercadoria).

Para finalizar vou escrever a minha opinião que já vem do tempo do projecto de Mexia: ou se faz uma linha de ALTA velocidade em duração ou é melhor não fazer nada!

Vou esperar pelo anúncio final mas pelo menos foi dado um passo de gigante em qualidade do projecto em relação ao do de Santana Lopes que, esse sim, era irreal demais para ser verdade!

Abraço,

P.S. Fica aqui o link do post que escrevi há uns meses:
http://filhodo25deabril.blogspot.com/2005/03/363-alta-velocidade-em-portugal.html

Coruja disse...

Não. Eles não devem ser tão destituídos quanto parecem. É impossível ser-se tão alarvo por natureza. Há que ser propositado. Ao contrário da manutenção da velocidade ainda que alta, a aceleração de uma massa da ordem de grandeza da do comboio é um autentico sorvedouro de energia. Como esta é fornecida pela EDP eu vou tratar de adquirir um bom lote de acções da mesma (se calhar tal como eles)...

azurara disse...

Não vou pelo "gozar"!
Mas, por outro lado, ninguém é, por nascimento, assim tão destituído.
Por isso, inclino-me para a intencionalidade. Deve haver alguém, algum grupo, que irá ganhar com esta aventura.
Nós perderemos, como habitualmente.

Sulista disse...

A grande velocidade (para tb não perder o comboio...), a Ota será paragem obrigatória pois é claro!...ou não nos quisessem fazer a nós tds, mais uma vez, de "tansos"!
Qt ás "embraiagens e pastilhas de travões" o melhor é nem falar...é que a máquina, desgasta-se, forçosamente, com tanta irresponsabilidade e qt a mim, estou farta de gastar dinheiro em tanta acelaração ;-)

Beijinho Grande
e um obrigada pelas palavras amigas lá no bloguito :-)

Alexandre Caetano disse...

Gostava de acrescentar só mais um ponto. Os Alfa-Pendulares que fazem a ligação Lisboa-Porto, conseguem dar os 200km/h. Mas na maioria do seu caminho vão a uma média de 130/140 km/h porque as linhas não estão preparadas para tal. Agora, com uma modernização das linhas, os actuais alfa, em termos de tempo, pouco perderiam para o TGV, devido às tais tão curtas distâncias entre as estações. Será mesmo necessário gastar milhões de Euros em algo tão desnecessário?
Gostava também de dizer que concordo com a ligação por TGV de Lisboa a Madrid. Não podemos perder mais tempop em relação à Europa. No entanto mais uma vês, esta ligação não poderia ser "portuguesa" pois seriamos, mais uma vez, o país a pagar mais pelo mesmo que outros países recebem.

JMTeles da Silva disse...

Caro Ruben, não gaste o seu latim. Alguém vai comer à grande e não há nada que possamos fazer. Abraços.

Daniel Geraldes disse...

Sr Ruvasa,finalmente resolvi criar o meu blog,dê uma vista de olhos se tiver tempo e vontade de ler um jovem armado em irreverente e com a mania que sabe tudo......

www.otempodeumcigarro.blogspot.com

Abraços.

Daniel Geraldes disse...

é o fungagueiro

CMatos disse...

Não, não são destituidos e não andam a gozar, eles até sabem muito bem o que andam a fazer. É que o CAV e a OTA são o melhor para... para os cofres do... deles próprios. Portual? Quem são, onde é... que importa isso!

Ruvasa disse...

Vivam!

Tem sido realmente ridículo o que se tem visto e ouvido acerca deste tema.

Ora se faz, ora se não faz, ora de faz novamente, ora se vai pensar melhor no assunto...

O "nosso primeiro", então, tem sido de uma infelicidade notável. De modo geral, fala muito e, de modo geral também, dá a ideia de que raramente domina o assunto sobre que discorre. Raramente - ou quase nunca - se tinha visto tal coisa!

Tem acontecido com uma frequência verdadeiramente surpreenente. Agora, foi outra vez com a questão do TGV.

Num dia veio dizer que o projecto ia para a frente e até já se sabia que apeadeiros seriam criados entre Lisboa e Porto. Dois ou três dias após, já vinha dizer coisa diversa. Agora, apenas as ligações com Lisboa-Madrid e Porto-Vigo iriam já para a frente. O resto logo se veria. Finalmente, que o assunto iria ser estudado mais profundamente.

Mas, se iria ser estudado mais profundamente, por que diabo de coisa é que o senhor não se calou até a "coisa" estar completamente estudada??!!??!!??!!

E, já agora, quando a "coisa" for estudada - se o for bem - estou certo de que se chegará às seguintes conclusões, inevitáveis:

1. Ligação TGV Lisboa-Porto
Não tem a mínima razão de ser. Por todas as razões e mais aquelas que já apontei no texto inicial. Só por casmurrice se pode continuar a matraquear no assunto;

2. Ligação Porto-Vigo
Não tem a mínima razão de existir. A distância entre o Porto e Vigo não justifica tal espécie de tranporte. Nem as distância nem tão pouco o volume da potencial clientela...;

3. Ligação Lisboa-Madrid
Apenas se justifica, para que "não percamos o combóio da Europa" porque a verdade, verdadinha é que só por si não se justifica também, por enquanto.

A realidade é esta. Tudo o resto é treta da carochinha e apenas serve para que andemos a enganar-nos uns aos outros, inocentemente... parvamente...

Preparem os carris que temos para que o Alfa circule a 180km/h e vão ver que ficaremos bem servidinhos, muito obrigado.

Tal nã tá a moenga, hã?!

Ruben

Roberto Iza Valdes disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
O Raio disse...

Caro Ruvasa,

Já andei no Shinkansen, o comboio bala japonês, antepassado de todos os TGV's e, como seria natural, o Shinkansen passa por numerosas estações, numas para e noutras não. E, claro, há comboios directos que não param em nenhuma estação intermédia, semi-directos que para em poucas e outros que se fartam de parar.
Cá seria a mesma coisa, uns iam directamente de Lisboa ao Porto, outros parariam em Coimbra, outros em Leiria, etc.
A tua argumentação, portanto, não tem razão de ser.
Quanto ao TGV de Madrid parece-me perigoso para o nosso desenvolvimento pois irá colocar Lisboa pendurada a Madrid e com um aeroporto internacional pelo meio (Badajoz).
É que esta conversa barrosista de se ter de poupar dinheiro a todo o custo já cansa. Nunca nenhum país se desenvolveu poupando dinheiro, os países desenvolvem-se gastando dinheiro!
O TGV Lisboa-Porto é imprescindível e antes de se pensar no TGV Lisboa-Madrid deveria era pensar-se no TGV Porto-Vigo e Lisboa-Faro de forma a reforçar o eixo atlântico da península ibérica e desafiar a centralidade de Madrid.
E, principalmente acabar com esta lenga-lenga à merceeeiro de bairro dos custos.
As decisões tomam-se quando são necessárias independentemente dos custos. Depois pensa-se como é que se vão reunir recursos para executar a decisão. Se não se conseguirem reunir, altera-se a decisão. Mas começar por martelar logo nos custos é uma atitude paralisante!

Um abraço