segunda-feira, maio 09, 2005

355. Um logro chamado Trapattoni

O saldo, para o meu clube, Sport Lisboa e Benfica, da jornada deste fim de semana da Superliga Portuguesa sugere duas observações:
...
1. Quem não tem treinador, treina com Trapattoni;
...
2. Chegou o oportunidade de a única qualidade que se tem notado no homem, ou seja, a sorte - uma sorte escandalosa, que o vinha acompanhando jornada a jornada e parecia aumentar na medida inversa da qualidade do futebol que os benfiquistas exibiam em campo - se cansar de tanto ajudar quem nada fazia por si próprio e resolver entrar de férias nesta jornada. E, não obstante, ainda fez uma perninha lá pelo Norte...
...
Talvez seja melhor assim, para que algumas almas que têm andado iludidas... uma vez mais iludidas... embaladas por cânticos de sereia engasgada, abram os olhos de vez e interiorizem aquilo que tem sido evidente desde que o homem chegou ao clube, mas que se tem querido disfarçar: Trapattoni terá sido um bom treinador. Mas, mesmo que efectivamente o tenha sido, uma coisa é certa: já não o é.
...
E não o é, não somente pelo que foi fazendo - e não fazendo - durante toda a época, como porque qualquer treinador de 2ª categoria cá do burgo, estando três pontos à frente do segundo classificado, a três jornadas do fim, jamais desperdiçaria essa vantagem num simples jogo. Qualquer treinador de segunda categoria cá do burgo jamais teria consentido que a sua equipa entrasse para o jogo com o Penafiel já antecipadamente derrotada. Aliás, como aconteceu inúmeras vezes ao longo da época.
...
Qualquer treinador de meia tigela teria obrigado os jogadores a "comerem a relva", mesmo que ficassem com problemas gástricos. Nenhum treinador que se preze assistiria, impávido e sereno, no banco, ao descalabro da equipa que seria suposto dirigir e cujas actuações, em consequência, seriam de sua exclusiva responsabilidade.
...
Trapattoni não sabe ler o jogo, não sabe que substituições fazer nem em que momento, não sabe conduzir homens, não sabe criar espírito de equipa. Trapattoni é um completo bluff. Chegam-me rumores de que os tão celebrados êxitos que obteve ao longo da sua carreira se ficaram a dever bem mais a elencos de luxo que sempre teve, do que ao seu "dedo". Pode ser até que não seja bem assim e que tenha sido um excelente allenatore. Não o é mais, porém. Está ultrapassadíssimo, parado no tempo, ficou-se na década de 80, talvez em princípios da de 90. Mas não mais além de 1994. Nem tanto...
...
Por alguma razão, certamente, foi dispensado da squadra azzurra e ninguém em Itália ou em qualquer outro ponto do Mundo o quis, de tal modo que aceitou vir para o Benfica. Esta, a verdade. Por muito que doa aos benfiquistas. Só não verá isto quem esteja de olhos vendados.
...
E nem curo de aqui invocar, como certamente por esse país fora muitos invocarão, grandes penalidades que deixaram de ser assinaladas no sábado passado. Porque essas, que o deviam ter sido, talvez sirvam para compensar as que, ao longo da temporada, não o foram também, mas deveriam tê-lo sido igualmente, só que ao contrário.
...
Isto, que deixo aqui gravado, já o venho dizendo desde, pelo menos, Outubro do ano passado, altura em que se tornou por demais evidente que o homem não estava à altura do que se lhe exigia. Portanto, não se fica a dever aos últimos "sucessos". Digo-o agora novamente, porque, independentemente do que daqui para a frente se possa vir a passar, aquela verdade se manterá inalterada. Digo-o uma vez mais, precisamente para que fique registado.
...
Trapattoni tem que regressar a Itália. E urgentemente, para que outro prepare a nova época. Para bem do Sport Lisboa e Benfica.
...

8 comentários:

Elise disse...

"Trapattoni tem que regressar a Itália." Vamos ver...

Ruvasa disse...

Viva, Elise!

Nunca deveria ter vindo de lá.

Aliás, é estranhíssimo que tenha sido dispensado da selecção italiana por força da fraquíssima prestação da equipa no Euro e ninguém o quis, até que apareceu a alma caridosa benfiquista que o recolheu.

Desde logo se viu que o homem não servia. Mas que tem uma sorte danada, lá isso tem. Se assim não fosse, com as tácticas absurdas que tem introduzido na equipa, estaria o Benfica a disputar a permanência.

Enfim!...

Cumprimentos

Ruben

Elise disse...

Quem é que gostava de ver no lugar do Trap? A ver se alguém o ouve! ;)
Cumprimentos!

Ruvasa disse...

Viva!

Um treinador com garra, que pusesse tudo aquilo em polvorosa.

O Camacho foi-se embora, porque não estava para aturar intromissões na sua área de actuação. Trapattoni tudo permitiu... É o símbolo do treinador sem força interior, digamos assim.

Portanto, qualquer treinador com a noção de que só um pode mandar me servia.

Dou-lhe um exemplo concreto, muito concreto mesmo:

O Jaime Pacheco não teria perdido este campeonato. De certeza absoluta. Nem que a vaca tussisse!

É que, para além da garra que se lhe conhece, tem uma leitura de jogo sem igual em Portugal. Ele, no banco, joga tanto ou mais do que os jogadores lá dentro. É activo e sabe o que faz.

Mas o que eu realmente teria querido, isso sim, é que o Vilarinho não tivesse tido contas a pagar ao Toni, o que provocou a saída do Mourinho...

Enfim!

Ruben

Ricardo disse...

Viva,

Como adepto portista e dada a falta de ambição dos jogadores dos três grandes em Portugal (e com muitas ajudas dos árbitros) só tenho pena de não ser o Braga o campeão.

Só não concordo muito com um comentário que aqui fizeste. No dia em que o Jaime Pacheco vá para o Porto e ponha a equipa a jogar da mesma forma que fazia no Boavista eu tiro umas férias de ver futebol porque, afinal, o que ele ensina a jogar pouco tem a ver com futebol (e sim, eu sei onde ele pode ter aprendido a jogar duro mas mesmo assim é a negação completa do que deve ser um jogo, entrega sim mas sem aquele tipo de dureza e anti jogo).

Abraço,

Ruvasa disse...

Viva, Ricardo!

No fundo, estamos bem de acordo, o que é raro entre portistas e benfiquistas.

Também eu não ficaria muito desanimado se o Braga vencesse o campeonato. Até porque, pelo esforço que tem feito, bem o merece.

Quanto ao Jaime Pacheco, eu não disse que é o melhor treinador do mundo e que acho que seja um exemplo a corpo inteiro. Dei-o, sim, como exemplo, para dizer que, estando, com qualquer equipa, três pontos à frente do 2º classificado, a três jornadas do fim, não se deixaria ir pelo "cano abaixo", como sói dizer-se. Nunca, jamais, quando, antanho, como se dizia antigamente...

E mais: disse também que entendo que tem uma fenomenal leitura de jogo. Efectivamente, tem-na. As substituições que faz no decurso do jogo e o momento em que as faz, as mexidas na equipa, igualmente durante o jogo, anunciam bem que ali está um tipo que "lê" mesmo, não sofrendo de "iliteracia futebolística". E é decidido. Além disso, já provou que é um condutor de homens.

Quanto à dureza e ao estilo, bem, ele arranca das equipas que trabalha, aquilo que elas podem, dar.

Que querias que ele fizesse com o Boavista de um Paulo Turra (sarrafeiro dos maiores), de um - não recordo o nome, mas está agora como central do FCPorto...- (outro sarreiro e zaragateiro dos bons?) e tantos outros. A equipa de então era de sarrafeiros e a deste ano não era melhor...

abraço, Amigo!

Ruben

patrick blese disse...

Caro Rúben,
Tomara vc que o maior problema do seu Benfica fosse o velho Trappas.
O problema, e parece que os benfiquistas n querem ver isso, é a falta de credibilidade dos sucessivos dirigentes q t~em paassado pelo clube, com o apogeu a ser atingido por vale e agora c esta dupla de v.
um abraço e olhe q ainda n vai ser desta,

Anónimo disse...

mandaram embora o vale de azevedo, esse é que ra um grande presidente